Conheça o Programa Vizinhança Solidária

O Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP) realizou um levantamento com o número de homicídios praticados na cidade de São Paulo no primeiro trimestre de 2015 e o que se constata é um cenário desolador.

A cidade de São Paulo até o início de abril de 2015 registrou 1.130 assassinatos, com 38 dos 93 distritos mostrando taxas de homicídios superiores à média da cidade em 2014 – o equivalente a um aumento de 40% na incidência deste crime.

Os bairros localizados na zona central de São Paulo são os que apresentam os piores números, considerando as mortes em relação à população. No bairro da Sé, por exemplo, foram praticados 48,6 homicídios por 100 mil habitantes no ano passado, enquanto o distrito Santa Efigênia tem taxa de 38 mortes por 100 mil habitantes, seguido pelo Pari, com índice de 28,3 homicídios.

Se analisada as mortes em números absolutos a situação mais crítica é a do Campo Limpo, na zona sul paulistana. Nesse distrito, o índice em relação aos habitantes (consideravelmente menor que as dos bairros citados acima) ficou em 21,9, seguido de Parelheiros, Jardim Herculano e Jaçanã.

Esses dados evidenciam mais uma vez a falta de medidas que tanto se discutem politicamente em termos de segurança pública que não são aplicadas e que contribuem para o aumento da criminalidade: ausência de políticas relacionadas à habitação, falta de iluminação, inexistência de diálogo da população local com o Poder Público e escassez de projetos para implementação de serviços de infraestrutura em bairros com alta periculosidade.

Nesse ritmo, os números que já são considerados alarmantes, até o final de 2015 baterão recordes que pouco agregam para a biografia da cidade e para o sossego dos moradores. É nesse contexto que a Sekron Digital oferece aos seus clientes programas de segurança eletrônica colaborativa, como o Programa Vizinhança Solidária, em que residências ou empresas de uma mesma rua ou bairro integram seus sistemas de alarme e câmeras criando um ambiente seguro e altamente monitorado, reduzindo o número de ocorrências na região e, consequentemente, contribuindo para o país alcançar a média global de 6,2 de homicídios estipulada pela Organização das Nações Unidas (ONU) (hoje apenas 24 distritos paulistanos estão abaixo da média global).

Programa Vizinhança Solidária consiste no monitoramento solidário de alarme e câmeras entre a vizinhança – seja uma rua, quarteirão ou bairro. O programa é viável desde que haja dois ou mais imóveis monitorados, conforme abaixo:

  • Cada imóvel participante do programa deve instalar um sistema de alarme independente, assim como câmeras para o monitoramento das vias públicas em frente ao seu imóvel
  • Todos os kits de alarme contam ainda com um controle remoto deve ser usado como botão de pânico, além da ativação/desativação do sistema. Dessa forma, é possível sinalizar uma situação de perigo no momento da abertura dos portões ou da abertura de sua empresa, por exemplo
  • Todas as câmeras instaladas serão públicas aos participantes do programa e à Central de Monitoramento SD SEGURANÇA ELETRÔNICA. Por exemplo: caso 30 imóveis participem no programa, qualquer um dos 30 participantes, assim como a Central de Monitoramento, pode ter acesso às imagens das câmeras instaladas através de seu smartphone, tablet ou computador. É possível ainda distinguir as câmeras públicas e privadas, com o objetivo de manter a privacidade de cada participante
  • Caso haja o disparo do alarme em um dos locais cadastrados no programa, os procedimentos serão os seguintes:
    • E-mail é enviado a todos (ou pessoas previamente selecionadas) os participantes do programa informando o local e momento do disparo do alarme, assim como os sensores que detectaram a invasão
    • A Central de Monitoramento toma os procedimentos pré-acordados com o cliente: ligações aos contatos de emergência, visualização das câmeras instaladas na vizinhança, etc.
    • No mesmo instante, a própria vizinhança – ciente do disparo de alarme em um dos imóveis próximos – pode analisar as imagens das câmeras da vizinhança através do APP ou pelo Canal do Cliente SD Segurança eletrônica , e sinalizar caso haja suspeita de uma situação real de perigo
    • Caso seja detectada uma situação real de emergência, a Central de Monitoramento aciona imediatamente a polícia